sábado, 10 de junho de 2017

Acabou.

Eu morri de espírito, apenas um resto vaga por esse aparelho.
Vago é meu olhar.
De tanto que foi sugada, não tem mais o que dar. Se tornou incapaz. De tanto que lhe disseram ser, ela se tornou.
Liga o automático. Ah. Já ta ligado.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

segredos reais

e talvez a única coisa real.

Será que existe um ser humano no mundo que chega um dia na vida e passa enxergar cru?
É quando aquele véu cai.

e ai?...

Acabou o tesão e a razão.

É melhor viver no escuro
(pisca de digitação do teclado piscando parada por um longo tempo)

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

eu prefiro o gosto de um amor tranquilo.

se eu te dou toda a segurança de não ficar preocupada se vou te trair, ter conversinhas baixas com outros seres e etc. então eu tenho o direito sim de quer essa segurança pra mim também. tenho preguiça de ficar me preocupando com coisas do tipo. pois tô ocupada em tentar me fazer feliz e desfrutar dos detalhes dos prazeres que a vida me oferece. se ta afim de joguinhos e quedas de braços veio ao lugar errado.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Crua

Quando eu era mais nova eu ouvia/via alguns adultos infelizes.
Nunca entendi.
Pensava "mas eles tem dinheiro, podem ter o que quiser".
Hoje, faltando cinco dias para completar 28 anos, eu entendo os adultos. Não passo fome, tenho uma boa condição familiar, futuro promissor e etc. Hoje eu não estou encontrando aquela luz aqui dentro, hoje meus dias são mais cinzentos a cada hora que passa.
O sonhar mágico, que tanto defendi por ai, perdeu o brilho. O meu olhar é vago, sou só mais uma agora, me juntei ao clã dos andantes entre um semáforo e outro. A preguiça de tudo reina e não há mais glitter dentro e fora de mim.
A beleza morreu.
Hoje me enfeiuro.
Amanhã não sei.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

e essa vontade de reclamar, de desabar no chão do banheiro por uma hora inteira debaixo do chuveiro. que é pra ver se essa dor sai, se a água leva embora, se o sal dela cura alguma ferida. tem jeito não, vamos ser burrinhos, parar de pensar, viver no automático. de vez enquando existe uns prazeres. no mais, sem mais delongas. vou ali deixar a espinha ereta.